Não é à toa que a depressão é considerada o mal do século. Segundo um estudo da Organização Mundial de Saúde (OMS), a depressão é a principal causa de incapacitação do mundo. Mas não se assuste, essa não precisa ser uma condição permanente. Atualmente há inúmeros tratamentos disponíveis, complementares ou não, para melhorar as condições de quem sofre deste mal. Mas então, como sair da depressão?

Neste post, vamos mostrar quais são os melhores e mais modernos métodos para tratar desta doença que, segundo a OMS, atinge quase 6% da população brasileira. Experimente e descubra quais os tratamentos que funcionam melhor para você, ou para alguém que você conheça, e lembre-se sempre de que tudo é temporário e que há sim luz no fim do túnel. Boa leitura!

Medicamentos

Há quem torça o nariz quando ouve falar em antidepressivos e acha que eles anestesiam qualquer tipo de sentimento que a pessoa possa ter. Não sabote seu próprio tratamento, às vezes os antidepressivos podem auxiliar no recurso terapêutico em casos moderados e graves da doença. 

É claro que não é para ficar tomando remédio à toa, mas profissionais qualificados podem estudar seu caso e dizer o que é melhor em cada situação. Geralmente é necessário um período de 2 a 6 semanas para o remédio começar a fazer efeito, dependendo de cada pessoa.

A duração do tratamento também varia bastante de acordo com cada um. Pode ser que apenas algumas semanas sejam suficientes, mas também pode ser que sejam necessários muitos anos. No entanto, dificilmente o medicamento sozinho vai resolver o problema. É preciso analisar a fundo as causas da depressão.

Psicoterapia

O psicoterapeuta pode ajudar a pessoa a descobrir as verdadeiras razões por trás da depressão. Este método favorece o autoconhecimento através da imersão na vida do paciente, para entender seus valores, suas prioridades, suas aspirações e compreender o que anda desequilibrado. Este método pode ou não ser acompanhado de medicamentos.

O número de sessões semanais e o período total do tratamento varia muito de acordo com a personalidade e os objetivos – em curto, médio e longo prazo – de cada pessoa. Pode ser que para certos pacientes, encontros frequentes acelerem o tratamento, mas em outros casos podem ser inúteis, pois a pessoa precisaria de mais tempo para processar sentimentos e aprendizados entre as sessões.

As razões para um quadro depressivo nem sempre são claras como em um trauma. Por isso, profissionais qualificados podem ajudar a chegar à raiz do problema. O psicoterapeuta também pode ajudar o paciente a definir metas realistas e a substituir hábitos nocivos por outros mais benéficos.

Terapias alternativas

As terapias alternativas são indicadas como complemento às terapias tradicionais. Em conjunto, elas podem ser bastante benéficas para os pacientes. Alguns exemplos:

  • acupuntura: técnica oriental de equilíbrio entre o corpo e a mente, está sendo cada vez mais procurada no tratamento de depressão e ansiedade;
  • homeopatia: diferente da medicina tradicional (chamada comumente de alopatia), a homeopatia busca um medicamento (simillimmum) que seja como um retrato dos principais sintomas apresentados pelo paciente. Geralmente a homeopatia associada à hipnoterapia trazem efeitos surpreendentes.
  • meditação: os benefícios da meditação são inúmeros. A técnica ajuda a controlar a dor e a ansiedade e muitas vezes pode ser tão eficaz quanto medicamentos;
  • reiki: terapia que prega a harmonização do corpo, mente e emoções, transportando a energia vital e ajudando no processo de regeneração em vários níveis;
  • musicoterapia: ajuda a equilibrar o organismo e a relaxar a mente. A melodia certa aciona neurotransmissores relacionados ao prazer, ajuda na respiração e até pode dar o ritmo aos batimentos cardíacos!

Terapia cognitivo-comportamental

Este tipo de tratamento foca nas ideias engessadas e crenças baseadas em experiências pessoais passadas que formam pressupostos sobre nós mesmos e o mundo ao redor. Nem sempre essas crenças são positivas ou mesmo realistas, fazendo com que o indivíduo tenha uma ideia equivocada do universo que o cerca e dele próprio. Por exemplo, achar que não é bom o bastante, que ninguém gosta dele etc.

A terapia cognitivo-comportamental ajuda a rever essas opiniões tão enraizadas e mostrar que essa não é, necessariamente, a verdade. A tarefa pode ser difícil, pois essas crenças já têm um padrão estável e persistente na mente da pessoa e pode ser complicado se livrar delas. É preciso fazer uma readaptação dos pensamentos automáticos, equilibrando melhor os sentimentos e as atitudes.
 

Hipnoterapia

O tratamento com hipnose é uma alternativa bastante eficaz e com resultados visíveis geralmente mais rápidos que a psicoterapia convencional. Durante o tratamento, o hipnoterapeuta provoca um transe hipnótico no paciente, fazendo com que sua mente se aguce e busque na memória eventos que foram mal processados. Dessa forma, é possível fazer uma ressignificação de informações, possibilitando uma nova programação do cérebro. 

Os resultados são duradouros e a necessidade de medicamentos muitas vezes é abolida pelo médico (geralmente neurologista ou psiquiatra) que acompanha o paciente. O processo é indolor, seguro e indicado para qualquer pessoa, inclusive crianças. Durante a sessão, na grande maioria das vezes, o paciente fica consciente o tempo todo e sabe exatamente o que fala. 

O número de sessões pode variar de acordo com cada pessoa, pois pode depender da sintomatologia (conjunto de sintomas) apresentada e possíveis comorbidades (outros transtornos que o paciente tenha no momento). É indicado conversar com um profissional para definir qual será a duração do tratamento e explicar melhor como funciona o método caso o paciente ainda tenha alguma dúvida sobre o procedimento.

Um bom hipnoterapeuta saberá, ainda, como trabalhar o sistema de crenças do paciente/cliente, a fim de que suas crenças (sobre si mesmo, sobre o mundo, sobre as outras pessoas, sobre estudo, sobre trabalho, etc.) se tornem mais funcionais, gerando, consequentemente, uma nova visão sobre si mesmo e sobre a vida, o que tem se demonstrado extremamente útil e eficaz no tratamento da depressão.  

Bom lembrar, ainda, que a adesão ao tratamento com a hipnose não requer que a pessoa abandone o tipo de terapia de sua preferência, nem que possua qualquer tipo de crença religiosa específica.
Muitas pessoas relatam melhoras significativas após as primeiras sessões de hipnoterapia realizada com profissionais capacitados.

E então, gostou deste artigo sobre como sair da depressão? Se sim, COMPARTILHE!
Sair de um quadro depressivo é possível sim, mas não tenha medo de pedir ajuda e esteja aberto a novas experiências! Assine nossa newsletter para ter acesso a outras informações como esta!

COMENTÁRIOS